Home Artigos As Pessoas Precisam Saber

As Pessoas Precisam Saber

2196
0

Conheço e já ouvi relatos de muitas pessoas que chorando e diziam que estavam com os corações machucados e que precisavam de ajuda. Como todo ser humano sensível que se preze, acolhi, esperei a pessoa se acalmar, ouvi de novo (e talvez algumas muitas vezes) e por fim, as pessoas terminavam aquela conversa do mesmo jeito: “Eu sei o que preciso fazer, sei disso há um tempo. Só não tive coragem. Preciso ficar um tempo sozinho(a), e me encontrar, ter certeza do que eu quero”.

Em todas as vezes tive vontade de aplaudir de pé. Despedia-me das pessoas, e as via indo embora – todas elas, sem exceção – com uma convicção que um mero telespectador da cena, notaria apenas pelo andar.

Os finais das histórias vocês podem imaginar: pessoas bem resolvidas, sorridentes, com certeza absoluta do que anseiam e vivendo histórias de amores atemporais.

Quem dera.

O cenário é bem diferente do esperado!

Pessoas ainda machucadas, que usam máscaras para a sociedade e para elas mesmas. Ingerem uma pílula de coragem, e a coitada não dura mais do que 48h. Na mesma rapidez que veio, a coragem não encontra raízes e evapora. Antes, tão decididas a se encontrarem…hoje, essas mesmas pessoas não aguentam passar uns instantes sozinhas. O desespero retorna com todas as forças.

Não querem encarar suas próprias feridas, que diga-se de passagem, ainda sangram. Ignoram seus pecados, suas mágoas, suas decepções. Buscam se distrair, uma vez que encontrar consigo mesmas é assustador demais.  Logo, chegam a uma conclusão mais rápida e menos dolorosa, pelo menos no início: precisam de um outro alguém (ou “alguéns”, se o neologismo me permitir).

Embarcam em mais uma aventura, com um destino parecido com o do Titanic. É questão de tempo. Muito em breve, afundam no mesmo mar de incertezas e feridas. Dessa vez, correm o risco de levarem outros a naufragarem. Mais uma dúzia ou centenas de corações que, agora, sofrem as consequências de serem apressados e inconstantes nas emoções e decisões.

É claro que, antes disso tudo, experimentam o que as aventuras têm de melhor: a euforia do novo, o regozijo passageiro de ares diferentes e encantadores, a falsa certeza de ter escolhido bem.

Mas eu te pergunto: como é que escolhe bem quem não cuidou direito do que estava mal? Paliativos são bem atrativos, uma pena que não foram feitos para durarem muito.

As pessoas precisam saber que o que carregam no peito é algo precioso.

As pessoas precisam saber que dar tempo ao tempo pode demorar mesmo. Entretanto, é melhor esperar o processo de cura do que sair por aí sangrando como se não tivesse fim.

As pessoas precisam saber que fingir e usar máscaras não as torna melhor. Na verdade, são medrosas e estão se sujeitando a terem uma vida pela metade.

As pessoas precisam saber que não há receita ou tutorial no YouTube que explique como se cuida dos seus corações. Há somente um jeito: prestando atenção neles. E quando fizerem isso, saberão o próximo passo. Esse processo, meus caros, não é algo que acontece do dia para a noite.

As pessoas precisam saber disso. precisam saber que por mais que doa agora, vai valer à pena lá na frente.

Elas precisam saber!

E aí, eu conto ou você conta?