Batalha

Certa vez (e não a única), ouvi alguém dizer que no dia seguinte “iria pra batalha”. Ela, na verdade, estava se referindo ao trabalho, ao emprego, ao labor, à lida, ao batente, ao dia a dia, ou seja lá o nome que for, pra tarefa que todos nós (ou a grande maioria das pessoas) enfrentamos para nosso sustento.

Esse termo “batalha” é curioso. Encontramos mais nos filmes em tv e/ou cinema, contos do gênero ou até nas guerras dos noticiários jornalísticos. Também já ouvi o termo “perdi a batalha, mas, não a guerra”. E tomando por base este, podemos entender que batalha seria apenas uma parte da guerra. O conjunto de pequenas batalhas forma a guerra em si (ou seja, uma visão mais macro).

No mundo espiritual, segundo a Bíblia, a guerra (entre o bem e o mal) já foi ganha (Ap.20:7-10), uma vez que tudo que está nela, ainda que uma parte escatológica (parte da teologia que trata dos últimos eventos na história do mundo ou do destino final do gênero humano, comumente denominado como “fim do mundo”), NÃO pode ser mudada. Mas, enquanto esses fatos não acontecem, pequenas batalhas estão, neste exato momento acontecendo, mesmo que não possamos ver ou até alguns, não acreditarem.

Entenda algo: Satanás JÁ ESTÁ derrotado e tentará (como está) levar quantos com ele puder. Essa batalha é pela minha e pela sua alma. E acreditarmos ou não, NÃO MUDA o fato de ser verdade.

Às vezes, os cristãos acham muito injusto que nós, servos do Senhor (mesmo em obediência), passemos por muitas lutas, provações, etc. Trata-se de um dos mais angustiantes dilemas para nós: Por que os ímpios (aqueles que não servem ao Senhor) muitas das vezes prosperam, ao passo que os fiéis sofrem tanto (Sl 73)?

Por que trazemos no coração inveja deles, murmurações nas provações, fraqueza nas tentações, falta de fé na adversidade?

Talvez, alguns de nós, não conheçamos de fato o Deus que servimos e o conteúdo de Suas palavras.

Ele não nos escondeu que teríamos momentos turbulentos nesta vida (João 16:32,33);

Ora, se de fato olhamos apenas, e tão somente, para o que vemos, pobre de nós (I Co 15:19).

Tenho a impressão que muitas das vezes para alguns de nós, falta um real encontro com Ele, para que essa questão se torne clara (II Co 4). Deus nos chama para participarmos com Ele na Sua glória, mas, sem antes, participarmos com Ele na Sua cruz. Se o Filho de Deus passou por tudo que passou para nos dar a vida eterna, por que conosco seria diferente?

E Ele fez tudo por amor, para que nós também, em amor, façamos. (II Co 5:14,15).

Precisamos ter a límpida visão de que Ele não precisa de nós pra ABSOLUTAMENTE NADA, e ainda sim, nos dá o privilégio de participarmos do Seu plano de Salvação. Basta tão somente, ama-Lo acima de TODAS as coisas (e isso envolve renúncia, arrependimento, transformação, amor) e ao próximo (e isso envolve entrega, humildade, servidão, perdão, amor, etc,…).

Fácil? De forma alguma!! Mas, NECESSÁRIO.

O que nos resta, então?

Amar…TODOS, sem exceção (I Co 13).

E por que a todos?

Simples…porque Ele o fez, e continua fazendo…dia após dia…eternamente (João 5:17-20)!!

RELACIONADO
COMPARTILHE ESTE ARTIGO:
 
mm

Elmo do Couto de Oliveira