Carta aos solitários


Talvez sua solidão não seja caso de “alguém do seu lado”. Talvez seja caso de você começar a fazer parte de um plano maior. Veja bem… Talvez os seus planos sejam tão bons, mas tão bons, que você se sinta orgulhoso de ser roteirista da própria vida. Talvez seus planos façam você se sentir sensato, responsável, inteligente e um cara que tem tudo pra “dar certo”. Talvez você se sinta seguro ao olhar pra eles, como se houvesse um chão debaixo dos seus pés que vai segurá-lo quando as coisas estiverem difíceis. Talvez você seja o tipo de pessoa que luta pra conquistar as coisas, então valoriza tudo o que tem conquistado a custa de muita renúncia. Talvez você encontre neles um porto seguro, uma fortaleza, um lugar confortável. Talvez eles sejam o conforto que você tanto espera encontrar um dia, depois de madrugadas, xícaras de café, pilhas de livros e uma vida corrida. Seus planos parecem perfeitos, você cronometrou toda a sua vida, você organizou tudo, suas emoções estão programadas… Sem maiores surpresas. Eles são bons planos. Não são egoístas, nem cheios de vaidades. Mas talvez os seus planos engomadinhos não tenham espaço para mudança. E talvez seja para a zona de risco que Deus queira te levar. Talvez…

Não estou falando da zona de risco que você está pensando. Estou falando da vontade de Deus. E a vontade de Deus nem sempre coincide com a nossa. A vontade de Deus nem sempre é confortável. A vontade de Deus nem sempre é tão óbvia. É como tatear no escuro. Você precisa de um guia – e precisa confiar Nele. Por isso temos medo da vontade de Deus. Somos tão arrogantes que achamos que podemos vencer a sabedoria do Rei do Universo. Afinal, já aprendemos tanto “com a vida!” Tomamos os papéis e a caneta das suas mãos, as mesmas que sangraram na cruz e embalam as estrelas, e dizemos: “não queria incomodá-lo, mas essa história é minha e eu sei bem como escrevê-la.” Então decidimos permanecer no conforto do risco zero e, é claro, nunca encontramos satisfação. Nosso coração parece vazio. Sentimos que falta alguma coisa. É aí é que nos damos conta: os pensamentos de Deus são muito mais altos, muito mais elevados, muito mais sublimes, intrinsecamente perfeitos. Sem viver neles, não posso me sentir completo.

Estou aprendendo a lutar, a caminhar no desconhecido, a assumir riscos. Às vezes, o roteiro é abruptamente mudado. Mas que importa? Se a voz que me guia é a Dele, tenho paz, ainda que cercada de guerra. Sempre penso na Rainha Ester e como ela abriu mão da sua vida anônima pra comprar a causa de todo um povo. Seu coração cheio de amor não suportaria nenhum plano de vida egoísta. Ela disse “sim” para Deus, embora isso enchesse seu coração de medo. E foi assim que todo um povo foi salvo de ser exterminado – o seu povo, a sua gente, conhecida ou desconhecida. No fundo do seu coração, ela devia saber que os melhores planos de vida não são nossos e nada tem a ver com uma vida cercada de desejos egoístas. Ela sabia que iria valer a pena se lançar no imenso desconhecido se isso fazia parte do plano de Deus, se isso tocava o povo que Deus amava. Se Deus amava, ela também amava. O amor Dele tornou-se dela. Ela sabia. No fundo do seu coração, ela sabia que essa jornada era dela por inteiro.

E eu sei. Eu sei que vale a pena. Porque se a gente deseja mudar o mundo, precisamos estar dispostos a ser “incomodados o suficiente” para deixar de lado nossa agenda para tomar a agenda de Deus. Se não houver renúncia, nosso amor pelos outros não passa de um barulho inútil, de meras palavras, de romantismo barato. Mas se o amor for real… Então não nos importaremos em amassar e jogar no lixo nossos roteiros para viver os roteiros de Deus. A paixão Dele será nossa. Acredito que ele esteja procurando gente disposta a comprar a causa, gente disposta a sair da sua zona de conforto, gente disposta a AMAR as pessoas dessa maneira – a ponto de esquecer de si mesmo. Gente que vai dizer “sim”. Gente que escolheu a melhor parte. Gente que decidiu viver por algo maior.

Minha oração é para que você tenha coragem de trocar de roteirista. Que roteirista melhor que Aquele cuja história é a própria História? Você não vai saber o final da história, mas não se preocupe – vai ser melhor do que seu melhor palpite. É melhor ter uma queda grande por sonhar alto do que viver sem cicatrizes com medo de arriscar. Decida hoje. Já disse Miguel de Cervantes: “Pela rua do mais tarde, se chega na casa do nunca.” Procrastinar não é uma opção. Viver é.

Sâmela Ribeiro
Sâmela Ribeiro Facebook Twitter Imprimir

Uma quase engenheira civil que ama café, viagens, gatos, violão, Netflix, gente e Jesus - não necessariamente nessa ordem.

seta

CONHEÇA NOSSA LOJA ONLINE