Como sobreviver ao deserto


Deserto nunca foi um assunto muito agradável, mas tendo em vista a importância desta experiência na vida cristã, resolvi falar sobre ele.

Quando falamos de deserto, numa linguagem bíblia, estamos nos referindo àquele período em que o céu se torna de bronze, tudo parece retroceder em nossa vida, Deus parece não ouvir nossas orações, nos sentimos fracos e, por mais que clamemos, parece que Deus silencia… Bem vindo ao deserto!

Certamente você já se lembrou de ter sentido tudo isso uma ou mais vezes em sua vida. Mas não se espante, esta é uma experiência comum à todos os cristão genuínos. Nem mesmo o filho de Deus foi poupado do deserto. Agora a grande pergunta que fazemos enquanto estamos no deserto é: por que?

Bem, Deus é sábio, extremamente sábio, e existe uma razão para tudo o que Deus permite em nossa vida. Mesmo que você não entenda, você pode confiar no modo como Deus conduz sua vida. Se porventura isso não for suficiente para pacificar sua alma angustiada, lembre-se que Deus também é bom, e por isso nunca irá permitir nada que não redunde em algum bem para um filho seu.

Pensando assim, o que nos resta é ter uma atitude, ou atitudes corretas enquanto passamos por esta experiência. E quais seriam elas?

Para responder a esta pergunta precisamos nos recordar da experiência de Israel, o povo eleito de Deus, no deserto. A narrativa da peregrinação de Israel em direção a terra prometida, passando pelo deserto, nos fornece preciosas lições do que fazer, e não fazer, quando estivermos neste período.

Em primeiro lugar, entenda que o deserto é um teste. Isto mesmo. Deus nos coloca no deserto para nos provar: “E te lembrarás de todo o caminho, pelo qual o Senhor teu Deus te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, e te provar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos, ou não.” (Deuteronômio 8:2). Assim, é necessário que você entenda que o deserto é um período em que Deus esta testando sua obediência, sua fé, seu grau de dependência dEle.

Essa consciência é necessária para que você tome as decisões certas neste período. Se Deus está apenas te testando, isto implica nas seguintes conclusões: este teste é passageiro, ou seja, o deserto vai ter um fim; Deus esta te preparando para algo maior; algo muito bom vai resultar da aprovação neste teste.

Em segundo lugar, não murmure. A Bíblia é cheia de advertências aos murmuradores de plantão. Basta olhar novamente para os Israelitas e verá que a murmuração daquele povo só resultou em sofrimento e morte.

Você acha difícil não reclamar quando as coisas não vão bem? E se eu te disser que a murmuração apenas piora as coisas, torna o sofrimento ainda mais amargo? Além disso, quando murmuramos estamos dizendo em alto e bom som: “Deus não cuida o suficiente de mim, não tem controle absoluto sobre minha vida, e não vale a pena depender de Seu cuidado.” Eu sei que você nunca diria isso com suas palavras, mas a murmuração é exatamente isso. Por isso, não murmure.

Em terceiro lugar, priorize seu relacionamento com Deus. Novamente fazendo menção ao povo de Israel, grande parte do sofrimento deles era devido a falta que sentiam das coisas do Egito. Eles não queriam um relacionamento com um Deus Todo-Poderoso. Eles queriam apenas ser alimentados.

Jesus também repreendeu muitos da multidão pela motivação que tinham ao segui-lo: “Jesus respondeu-lhes e disse: Na verdade, na verdade vos digo que me buscais, não pelos sinais que vistes, mas porque comestes do pão e vos saciastes.” (João 6:26). Será que é diferente nos dias de hoje? O que nos motiva a seguir Jesus?

Voltando ao povo israelita, veja o que Deus diz sobre eles: “E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram; para te dar a entender que o homem não viverá só de pão, mas de tudo o que sai da boca do Senhor viverá o homem.” (Deuteronômio 8:3). O povo esta tão preocupado com o alimento carnal, que conhecer o Deus que os havia tirado do Egito estava em segundo plano. Isto é bem demonstrado quando Deus se revela a eles do monte Sinai e eles gritam a Moisés: “… Fala tu conosco, e ouviremos: e não fale Deus conosco, para que não morramos.”(Êxodo 20:19). Ou seja, eles queriam apenas o ganho, sem um relacionamento.

Uma das mais preciosas lições do deserto é crescer no relacionamento com Deus. Isto acontece quando você se mantem fiel ao Senhor em meio à provação. A fé posta à prova, cresce. Os que vencem o deserto saem dele com experiência e testemunho para contar.

Por fim, dependa de Deus neste período. Deus pode não dar o que você deseja, mas certamente te dará o que você precisa. O povo passou fome no deserto, mas Deus os sustentou com maná. Eles não tinham onde, nem como comprar roupas novas, mas Deus preservou suas roupas e calçados enquanto durou sua peregrinação. Não tinham um lugar fixo de habitação, mas de maneira sobrenatural Deus os guardou do calor do sol com uma nuvem espessa, do frio congelante da noite com uma nuvem de fogo, e os protegeu de todos os inimigos do caminho. Por fim, 40 anos depois, uma nação de escravos acabou tornando-se um nação de guerreiros prontos para conquistar a terra prometida.

É isso que Deus promete aos que sobrevivem ao deserto. Crescimento, mudança, bençãos e experiência preciosas. Se você for paciente, cedo descobrirá que o caminho de Deus, ainda que traçado de maneira incompreensível pelo deserto, ainda é o melhor, e você não iria tão longe se não andasse por ele.

Nunca se esqueça, a graça de Deus nunca te levará a um lugar onde não possa te sustentar.

Deus abençoe ricamente!

Esse artigo é uma contribuição de nossos leitores.


Autor: Cleiton Rocha

Email: cleiton.rocha@ig.com.br

Instagram: @rochacton

seta

CONHEÇA NOSSA LOJA ONLINE