Conhecendo a paternidade de Deus

Quero escrever hoje sobre um pouco da minha trajetória…

Quando mais novinha eu escutava sobre Jesus, ia aos cultos, e participava dos cultinhos domésticos que meus pais faziam em casa.

Eu amava cantar “e o véu que separava, já não separa mais!!” (rs), e ia para a salinha da igreja sempre que podia. Desde pequena eu chorava nos cultos durante os louvores e na minha inocência de criança eu não entendia por que. Mas além de tudo, via minha família passar por muitas dificuldades financeiras, e quando eu tinha 10 anos meu pai precisou ir morar em outro país para nos dar uma vida melhor. Foram longos quatro anos, vendo meu pai apenas por foto e conversando por telefone. Como foi um tempo difícil! Lembro que durante o natal e ano novo era uma choradeira enorme, pois a saudade era a grande. Passado esse tempo, meu pai voltou para casa, mas na vida, parece que a gente derrota um gigante e outro aparece… Aliás, a vida é um grande desafio.

Todos têm grandes lutas, e o que eu passo é diferente do que você passa, mas acredito que todos temos dificuldades diárias, seja na vida familiar, seja na vida emocional, financeira, não sei, mas eu também acredito que as fases pelas quais passamos não existem pelo acaso, e sim para um propósito.

Citei essa pequena parte da minha história, pois ela foi significativa para os “capítulos” que viriam. Quando meu pai voltou, eu tive muita dificuldade de lidar com a figura paterna. Eu simplesmente não reconhecia aquela figura masculina dentro de casa, pois ele havia ficado longe por 4 anos, e eu não sabia o que era isso. Mas havia ainda uma carência dessa paternidade que inconscientemente eu comecei a transferir para os relacionamentos que eu tinha. Eu cobrava um carinho, um abraço, uma palavra que nenhum rapaz podia me dar.

Eu não tinha um relacionamento muito próximo o meu pai terreno, e isso resvalou no meu pai celestial. Me afastei de ambos, e só sabia me relacionar com os namorados que tinha. O mundo parava, e eu só fazia algo com o aval deles… Tinha ciúme, era insegura, carente, sensível demais, aceitava qualquer adjetivo que me era atribuído. Se falavam que eu era desajeitada, ou estranha, eu tomava aquilo como minha identidade, e assim fui me tornando alguém totalmente diferente da pessoa que o Senhor tinha sonhado.

Agora você me pergunta qual o motivo de eu falar sobre essas coisas… Estou citando isso, pois um dia eu me lembrei que além do meu pai terreno, o meu Pai do céu queria suprir todas as carências que eu tinha. Um dia eu abri meu coração para o Senhor e Ele me mostrou um amor que não falta, que entende, que zela e protege, que sustenta, um amor que me bastava e que ninguém poderia suprir. Eu precisei me reconciliar com esse Pai… Ah, como Ele me deu colo! Mesmo tão suja e perdida, ele me resgatou e me sarou. Aquela carência não existia mais e eu me sentia livre.

Eu poderia não ter passado por nada disso. Eu poderia ter tido uma adolescência totalmente livre de qualquer dificuldade, e ter chegado até aqui… Mas quantas experiências com Deus eu tive quando O reconheci! Hoje eu sei de onde Ele me tirou. Não sei o que você passa neste momento, mas não desista, não desanime!O mesmo Deus que te criou é que te sustenta! Fica firme!

E eu quero falar para você que se sente sem um pai, ou que não conheceu o seu, ou que conhece, mas não tem um bom relacionamento… Não sei em que exemplo você se encaixa; Pode ser que seu pai só se apresente como alguém duro, ríspido, grosseiro… Quero dizer que você não está só! Você tem um PAI! Um PAI que não falha, que te conhece, que te ama, que quer te dar colo, que deseja te ensinar e guiar! Ele não te decepciona, e ainda que te corrija, o faz com amor.

Se lance hoje! Se por um tempo você parou pelo caminho, e se ache tão perdido que não possa recomeçar eu quero te dizer que esse Pai quer te abraçar, te receber, te curar e te fazer vencer!

Quando eu reconheci Deus como meu Pai, eu fui curada de toda carência emocional. Ali eu pude conhecer o Deus-Pai que nos faz voltar as sonhar, pois acredite, Ele realiza sonhos também!

Nunca é tarde para conhecer esse Deus-Pai! Ele quer se revelar a você!

Ele é o Pai perfeito, o Amigo Fiel!

“Pode uma mulher esquecer-se do filho que ainda amamenta, a ponto de não se compadecer do filho do seu ventre? Mas ainda que ela se esquecesse, eu não me esquecerei de ti” (Isaías 49.15)

Deus te abençoe!

Até a próxima,

Kamila.

RELACIONADO
COMPARTILHE ESTE ARTIGO:
 
mm

Kamila Carvalho Borges

Cristã, advogada, casada com Lincoln Borges.