Home Artigos Domínio próprio

Domínio próprio

311
0

Melhor é o homem paciente do que o guerreiro, mais vale controlar o seu espírito do que conquistar uma cidade.
Provérbios 16.32

Os Provérbios de Salomão são grandes fontes de sabedoria, pois sua experiência pessoal o favorecia. Ele dirigiu Israel em seu período mais glorioso, não por meio da guerra, mas da paz. Seu pai havia conquistado terras e ergueu um império para Israel governar. Salomão herdou tudo isso, porém utilizou a paz para o crescimento da nação. Por meio de tratados comerciais e cobrança de impostos, ele deu a nação de Israel seu período de maior riqueza, e tudo isso era superior às conquistas militares do seu pai.

Salomão tinha experiência e razão ao dizer que “melhor o homem paciente do que o guerreiro”. Guerras sempre tiveram seu lugar na história, mas somente pessoas de paz e controladas conquistaram maiores avanços em todos os campos da vida.

Podemos destacar que não vivemos tempos de guerras e conquistas imperiais, mas a lição do trecho é ainda maior: “É melhor controlar seu espírito do que conquistar uma cidade”. Em outras palavras é mais fácil conquistar um país do que controlar nossos desejos e impulsos.

O domínio próprio é algo que devemos pedir a Deus. A motivação para se dominar é que a pessoa descontrolada acaba sendo controlado por Deus, e isso nem sempre é indolor.

Todo processo de evolução pessoal faz parte do passo a passo para a vontade de Deus. É importante autoavaliar-se, tirar um tempo para si e se possível anotar em algum lugar as coisas que devem ser mudadas a curto e longo prazo.Todo o esse processo de reconhecimento faz parte também da caminhada amorosa para com o próximo por Cristo Jesus (Mateus 22.39). Como podemos demonstrar amor ao próximo se não dominamos ou controlamos nossas vontades?

A caminhada de evolução pessoal é complicada em certos momentos, mas quando entendemos nosso ser e que somos dependentes do amor de Cristo nesse processo, estamos dando passos importantes para dominar nossas vontades e impulsos destrutivos.

“Meus amados irmãos, tenham isto em mente: Sejam todos prontos para ouvir, tardios para falar e tardios para irar-se, pois a ira do homem não produz a justiça de Deus” (Tiago 1.19 e 20)