E eu escolhi ser feliz

Daniel Dias é evangélico. Sua história de vida, garra, superação e fé mexeu comigo. Resolvi colocar esta matéria como artigo de hoje, porque fui profundamente tocado com sua história e suas palavras. De todas as escolhas de Daniel, com certeza a maior de todas as conquistas aconteceu fora das piscinas, quando entregou sua vida para Jesus.

Entre tantas escolhas vitoriosas e acertadas de Daniel, ele também escolheu esperar e que sua história sirva de ânimo e encorajamento para você, assim como foi para mim.

Com seis ouros e cinco recordes em Londres, nadador grava o nome na história do esporte paralímpico brasileiro. Ele cresceu no interior de Minas Gerais com uma "mania" que enlouquecia os pais: quebrar próteses. A má formação congênita dos membros nunca foi problema para a criança que se metia no meio dos amigos em peladas pelas ruas. O tempo passou, e a bola deu lugar a piscina. A rotina de "destruidor", entretanto, permanece intacta. No lugar das pernas mecânicas, Daniel quebra recordes. Um atrás do outro. Mundiais, paralímpicos, de medalhas…

Vencer é um verbo que ele conjuga diariamente. Em Londres foi assim. Literalmente. Com seis ouros em seis provas individuais (passou em branco nos dois revezamentos), o nadador volta ao Brasil como maior atleta paralímpico da história do país. Consagração de quem riscou ainda na infância uma palavra do dicionário: limitação.

 – Sempre aceitei (a deficiência) e fui feliz assim. É questão de escolha. E eu escolhi ser feliz. O resto nós buscamos com determinação e fé.

Daniel Dias buscou e escreveu, com apenas 24 anos, uma história impressionante. Há apenas sete anos no esporte – começou após ver Clodoaldo Silva brilhar em Atenas-2004 – o paulista de Campinas já coleciona 15 medalhas em duas Paralimpíadas: 10 ouros, quatro pratas e um bronze. O currículo tem ainda 19 ouros em Parapans, outros oito em Campeonatos do Mundo, dez recordes mundiais e um prêmio Laureus, o "Oscar do Esporte".

Conquistas suficientes para colocar o nadador entre os maiores do esporte brasileiro. A divisão entre olímpicos e paraolímpicos não cabe mais. E o próprio Daniel é claro ao definir:

– "Eu sou um atleta. Ponto final."

Daniel Dias com a pulseirinha Eu Escolhi Esperar

Um dia desses estava lendo uma matéria no GloboEsporte.com e de repente vi esta foto, onde Daniel estava sendo entrevistado pela Rede Globo e vi em seu braço para minha surpresa, a pulseirinha da campanha "Eu Escolhi Esperar".

RELACIONADO
COMPARTILHE ESTE ARTIGO:
 
mm

Nelson Jr

Nelson Junior, coordenador e idealizador, é casado com Ângela Cristina, pai de Ana Carolina e Milena. É pastor desde 1998, formado em Teologia pelo IBAD, é da Igreja em Vitória e membro da Associação de Pastores Evangélicos de Vila Velha. Trabalha com jovens e adolescentes há pouco mais de 20 anos.