É, o que não nasceu pra ser

Talvez, se você pegar um minúsculo alfinete e furar sua blusa, raríssimas pessoas percebam.
Talvez, se você pegar um conta-gotas contendo tinta preta e aplicar no oceano, não vá fazer a menor diferença na sua coloração.
Talvez, se você com uma colher de mexer café pegar um pouco da areia na praia, ninguém vá dar falta.
Talvez, se você começar a contar as estrelas e “pular” uma ou outra, não fará diferença.
Talvez, se no seu prato houver um grão de arroz quebrado, não vai deixar de matar sua fome, caso ele estivesse inteiro.

Geralmente, pequenas coisas desaparecem quando postas ao lado das grandes, enormes, gigantes. Temos uma tendência natural pela comparação entre elas. As grandes ganham maior importância e destaque ao lado das menores, seja no lado bom ou ruim. Alguns de nós tem uma avaliação míope numa relação bom/ruim e certo/errado. Nossa justiça é mascarada (Is 64:6/Fp 3:8) quando atinge ao próximo e eficaz em demasia quando nos prejudica. A todo instante, devemos fazer o exercício de trocarmos de lugar e sermos atingidos pelo que atiramos; e isso, cristãos ou não.

Por que o proibido é sempre mais gostoso? Por que é mais fácil mentir a falar a verdade? Por que é mais fácil adulterar a optar pelo verdadeiro? Por que é mais fácil conseguir dezenas, centenas de mulheres e/ou homens em nossa vida amorosa a esperar por aquela que ficará conosco “até o fim”? Por que “a grama do vizinho é mais verdinha”? Por que é mais fácil considerar e admitir que uma mentirinha de nada seja menos grave que um crime hediondo, quando entendemos quem é o pai dela (Jo 8:43,44)? Por que quem faz alguma coisa boa é elogiado, quando isso tinha de ser natural em todos nós? Por que é mais fácil culpar a admitir que o erro foi meu ou, no mínimo, tive participação neste? Por que é mais fácil relativizar a Verdade, uma Verdade a nós revelada a preço de sangue (e sangue inocente), só pra que adequemos a mesma ao que queremos, ignorando princípios ETERNOS (Pv1:7, 19:23, 22:4,9:10)? Por que alguns dos que foram alcançados por Cristo, ainda vivem nas trevas dos seus próprios interesses e opiniões?

Biblicamente (e esta SEMPRE será a nossa base), em nós foi implantado a semente do pecado pós Queda (Gn 3:6,16,17,22,23) e, consequentemente, TODOS estão debaixo do poder e da condenação do pecado (Rm 3:9-12). Isso pra demostrar a culpabilidade de TODOS os povos sobre a face da terra, como também demostrar que NENHUM sistema religioso, nenhuma crença primitiva e restrita ou altamente aculturada, é capaz de salvar o ser humano da condenação ao afastamento eterno da presença de Deus. A ÚNICA fonte capaz desse elo é Jesus (Jo 14:6/ Gl 5:16-25).

A todos os “porquês” há algo em comum: todos terminam em mim, em cada um de nós. Somos o principal beneficiado. Abaixamos demasiadamente o queixo até encostar-se ao peito e o que vemos é simplesmente nosso umbigo. Se o levantássemos até o extremo, poderíamos olhar pra quem é O modelo. Mas, será que eu quero isso…?  Será que você quer isso…?
Eis a questão…

RELACIONADO
COMPARTILHE ESTE ARTIGO:
 
mm

Elmo do Couto de Oliveira