Faça acontecer

A vida tem dessas coisas. Às vezes, tudo anda tão bem… Às vezes, nada no universo parece fazer o mínimo sentido. Fases desafiadoras. Corpo doente, alma mais doente ainda. Depressão, síndrome do pânico, ansiedade, insônia. Milhões de remédios, nenhuma melhora. Perda de pessoas especiais. Dor e sofrimento. Sonhos antigos que perdem a razão. Oportunidades perdidas. Desilusão. Desespero. O que a gente faz quando a gente não sabe o que fazer?

A gente faz alguma coisa, porque fazer nada não é uma opção. A gente faz o que pode, porque o que a gente não pode fazer não vem ao caso nesse momento. A gente procura ajuda nos lugares certos e com as pessoas certas. A gente sai do anonimato e admite o que está acontecendo. A gente assume pra gente mesmo que precisa de ajuda e é forte assumindo nossa fraqueza. A gente deixa de lado o orgulho e abraça a humildade. A gente toma outros rumos. A gente se desafia, se estica, se expande e se arrisca. A gente decide viver, mesmo que sinta que tudo lá dentro tenha morrido.

Depois de viver tudo isso aí em cima, descobri um segredo especial: tem coisas na vida que a gente não tem que entender. A gente tem essa mania chata de querer que a vida seja uma equação perfeita na qual nenhum detalhe é perdido. Eu não tenho o controle do mundo, Deus tem. Se ele permitiu que eu passasse por tudo isso, é porque eu achou que eu era forte o suficiente, é porque ele queria me ensinar a dançar sobre o desapontamento. Custei a entender, mas entendi: a vida tem dessas mudanças de rumo. E eu preciso ajustar as minhas velas e não desistir de velejar por que a tempestade me desgastou.

Eu não tenho raiva de nada nem de ninguém. Eu não culpo ninguém. Aliás, eu agradeço por tudo o que aconteceu, porque tudo isso me levou ao “hoje.” Eu era o tipo de pessoa que tinha um traçado perfeito para tudo que eu queria viver na minha vida. Mas, quer saber? É importante planejar. É sábio. Não deixei de fazer isso. Mas aprendi que às vezes as decisões serão às escuras. Às vezes, vai ser risco total. Eu preciso confiar. Eu confiei na voz que falava ao meu coração. Arriscar faz parte. E pode te trazer uma porção de coisas boas. Palavra de quem nem acredita, mas está prestes a embarcar em uma das melhores experiências da vida… Escreva sua história, ainda que isso te custe alguns erros. Desapegue de viver a vida do jeito que todo mundo vive. Não viva 75 anos iguais e, no final, chame isso de vida. Ouse nesse novo ano que vem aí. Em 2016, faça acontecer!

RELACIONADO
COMPARTILHE ESTE ARTIGO:
 

Sâmela Ribeiro

Uma quase engenheira civil que ama café, viagens, gatos, violão, Netflix, gente e Jesus - não necessariamente nessa ordem.