Fiquei Vintage

Vejo a internet matando relacionamentos e construindo outros. 
Aproximando quem está longe e distanciando quem está perto.
Silenciando conversas em mesas, mas começando conversas a distancia. 
Posso dizer que minha música “A moda Antiga” já diz muito sobre mim. Eu sou do tipo a moda antiga mesmo. Gosto de horas de conversa ao telefone, gosto de ouvir a voz rouca falando bom dia e a voz de sono falando boa noite. Gosto do som de risadas e odeio o “LOL” das mensagens. 
Claro, gosto de receber mensagens durante o dia mas isso não substitui encontrar alguém, ver o brilho no olhar, entender seu sorriso, saber se realmente está tudo bem. As mensagens não contam o que os olhares revelam.
Durante essa semana fiz um experimento, resolvi sair da internet e sai completamente. Inclui whatsapp e todas as mídias sociais: facebook, snapChat, Instagram, twitter, periscope, nem o Google eu usei! So usei o wase porque sou muito perdida no trânsito. 
Eu tomei essa decisão porque imersa nesse mundo virtual vi que o snapchat tinha se tornado um segundo reality show da minha vida, (estreiei em 2011 um Reality Show no Multishow.) alem de um reality meu me tornei espectadora do reality de vários amigos. 
No SnapChat você posta fotos e videos que ficam disponíveis por um período de 24 horas para serem vistos e ai desaparecem. Isso faz com que as pessoas postem videos engraçados, reuniões, comidas, etc. 
Tem gente que posta tudo o dia inteiro: aquela saída com os amigos, bem.. eu te vi arrumar, escolher a roupa. Dei até meu palpite. Participei do jantar, do encontro romântico e depois você ainda conta como foi. Se foi bom ou ruim. 
Uma de minhas perguntas preferidas é: como foi o seu dia?. Acho que essa pergunta sempre inicia uma conversa que pode durar horas, ou minutos… sempre uma boa conversa. 
Meu problema com o snap é que a pergunta como foi o seu dia passa a ter a resposta: ahhh.. sim… eu vi no seu snap e as novidades que faziam das conversas tão legais passam a não existir mais. Agora conversar pessoalmente requer muito mais criatividade. 
Eu por exemplo pela primeira vez desde.. não lembro. Fiquei horas no telefone (altamente preocupada com a conta desse mês).
Minhas amigas me ligaram pra perguntar se estava tudo bem, minha família falou que eu estava mais sociável e eu comecei a notar um mundo em minha volta que desconhecia. Descobri que minha faculdade é habitada por gatos (do tipo felino), não são 2 ou 3, são muitos. Sem o celular na mão pude olhar pra frente e para os lados, observei quem estava ao lado. Conversei mais com as pessoas, li um livro de 300 páginas e já estou na metade de outro.
O celular, com todas as suas possibilidades interativas nos permite viver em uma ilha deserta.
O relacionamento interpessoal foi reduzido ao mínimo necessário, você só fala com quem está perto se realmente for preciso. 
Essa geração aprendeu a usar seu smartphone como ponto de fuga. Você não se sente mais sozinho, se está achando a conversa chata entra no instagram pra ver fotos, se tem que esperar por alguém em vez de olhar a natureza vai rapidamente olhar o mundo virtual. É como se deixássemos de ver o mundo real.
 
Hoje eu retorno a minha vida online, mas de uma forma bem diferente pois agora eu entendi a importância de valorizar o que e quem está ao redor. 
A palavra de ordem é moderação. 
Te convido a fazer essa mesma experiência que eu fiz, no primeiro dia você acha que vai morrer, mas depois de alguns você verá todos os benefícios.

RELACIONADO
COMPARTILHE ESTE ARTIGO:
 
mm

Lu Alone