Home Artigos Foi Como Deveria Ter Sido

Foi Como Deveria Ter Sido

3842
0

Já se viu pensando em algo que aconteceu há muito tempo?

Refletindo no que poderia ter feito de diferente, para que tivesse um fim diferente?

Tudo bem, não precisa ter sido há muito tempo. Pode ser que você tenha feito isso ontem ou hoje. A questão é: torturamos a nós mesmos ao relembrarmos momentos que já se foram. Não é o ato de lembrar que prejudica. É a forma como lembramos.

Em uma tentativa insana de mudar o agora, consideramos possível refazer nossos passos. Em outras palavras: tentamos recolher o leite derramado. O sentimento por trás do desejo de alterar o hoje é a insatisfação.

“Se eu tivesse dito isso ou aquilo”; “Se eu pudesse ao menos ter mais uma chance, faria tudo diferente”; “Será que se eu tivesse feito, abraçado, beijado, tentado, insistido mais…as coisas estariam de outro jeito?”

Talvez sim. Talvez não. É verdade o que nossas avós diziam: não adianta chorar pelo leite derramado. É preciso aceitar que tudo ocorreu como tinha que ser. Foi como deveria ter sido.

Eu sei. E você, também, sabe que fizemos tudo o que estava ao nosso alcance. É possível que olhando em retrospectiva, algumas atitudes poderiam ou não terem sido tomadas. Isso causa angústia. Cobramo-nos para sermos perfeitos – inclusive em nossas memórias.

Entenda e aceite que você fez o melhor que pode. Na época, naquele dia, com aquela pessoa…você agiu com os recursos internos que tinha em mãos. Pode ser que não tenham sido os melhores recursos ou os mais desenvolvidos. Mas era o que você poderia fazer e do jeito que você pensava ser o mais razoável para todos. E está tudo bem.

Aceite isso. Pare de se culpar tanto. Se for preciso, peça perdão. Libere perdão. Perdoe a si mesmo! E quando estiver pronto, siga em frente. Tudo foi como deveria ter sido.

Algo nos impede em viver o presente. E não me refiro a ansiedade. Falo da nossa incapacidade em fechar ciclos, em compreender que o que passou, já passou. Inutilmente insistimos em situações, pessoas, relacionamentos e vontades que já não fazem parte mais de nossas vidas. Isso cansa e desgasta emocionalmente.

Diga adeus!

Levante do banco. Caminhe em direção ao novo. Eu sei. E você, também, sabe: o novo pode ser intimidante e temeroso. Mas existe algo de peculiar nele. Não temos ideia de como será o amanhã. Não podemos fazer mais nada pelo o que já aconteceu. O passado foi como deveria ter sido.

Por outro lado, podemos fazer algo pelo agora. E devemos fazer já!

Aos poucos vamos abrindo mão de pesos desnecessários. Entenderemos que olhar para trás só é saudável quando é para nos lembrarmos de lições valiosas que nos ajudarão com o que vem em seguida.

Para os dias que se foram, lembre-se: foi como deveria ter sido.

E amanhã, como será?