Fui convocado pra lutar- FIM


Leia a a partte 01


Assim que chegamos à base, nos enviaram rapidamente pra ajudar as tropas da missão LOVE, as quais estavam sob ataque das forças BAD.

 

Ataques de insulto e bombas de palavras de ofensa se misturavam aos tiros potentes de mentira. As tropas inimigas eram três ou quatro vezes maiores que as nossas. O nosso colete da retidão conseguia suportar os tiros das mentiras dos mais altos calibres e o capacete conseguia proteger a mente dos soldados do eco das palavras de ofensa.

 

Quando lancei uma granada no exercito inimigo percebi que o resultado da explosão foi uma neblina e um som diferente. A neblina deixou todos calmos e o som eram de palavras de esperança, onde nos fazia refletir sobre a vida. Peguei um fuzil e atirei num dos soldados das forças BAD, ao ser atingido ele largou suas armas, ajoelhou e chorou. O tenente Oliveira me explicou que os nossos projéteis eram do calibre “há esperança para o homem, pois o amor pode mudar as pessoas”, o qual produzia em qualquer pessoa uma mudança de vida.

 

Ao saber do poder de nosso equipamento comecei a lutar intensamente, porém algo me atingiu e comecei a cair tonto no chão. Eu fui caindo aos poucos e meu coração estava acelarado e minha mente confusa.

Dois soldados me socorreram quando cai no chão, as 4:46 PM daquele dia. Enquanto me carregavam até o nosso quartel general, cenas de minha vida passavam novamente diante de meus olhos . O cheiro de sangue subia pelas minhas narinas e a poeira me fez fechar os olhos. Tive medo de morrer naquela hora. O som dos tiros eram horríveis e tenebrosos. Naquele instante, minha mente me conduziu até meus 9 anos de idade, ao dia do banho de chuva, e, logo em seguida acordei subitamente na enfermaria.

Enquanto estava sob os cuidados médicos da Ten. Nunes, ela me questionou sobre o ocorrido. Ela me disse que fui atingido na escápula, na parte anterior. Não entendi, e ela me explicou que fui atingido pelas costas, ou seja, por um soldado de nosso grupo. Me questionei como um soldado poderia alguém fazer isso, já que um reino que luta contra si não pode permanecer firme. Nunes me afirmou que os bons soldados são atingidos facilmente em lugares e em momentos onde eles menos esperam. Ela ainda me disse que não teriam como afirmar qual foi o calibre do projétil, mas que provávelmente ele deveria ser de:

  • Desmotivação ou desencorajamento;
  • Traição ou inveja;
  • Falta de união e ajuda;
  • Desânimo por estar lutando sem cobertura;
  • Ou um mau uso do equipamento, um tiro acidental.

Dizem que os tiros acidentais, numa guerra, matam mais soldados do mesmo esquadrão que o ataque inimigo, pois para o inimigo estamos sempre preparados. Quantos soldados vocês devem conhecer que pararam de lutar, pois foram atacados por Tenentes ou Coronéis que deveriam atacar as forças BAD?

Passado alguns dias, tive alta e a médica me informou que meus movimentos com o braço direito, não seriam mais os mesmos, pois o tiro atingiu minha escápula, e, eu sentiria sempre algo quando fosse manusear qualquer equipamento da tropa, caso eu volta-se à frente de batalha.

Hoje, passado dois anos do acontecido, sou tenente das forças inefável amor, que busca resgatar soldados presos ou fracos na guerra e alistar novos combatentes para a nossa missão. Estou treinando alguns soldados, pois breve passarei a direção da frente de batalha para um dos membros e seguirei para uma nova missão, continuo caminhando sabendo que estou combatendo o bom combate.

—x—

Esta sequência de textos, são reflexões a cerca de nossa missão como soldados numa guerra contra o pecado e o mal. Não lutamos contras as pessoas, lutamos contra as ações que as conduzem a perdição eterna. São os atos humanos que destrói a própria humanidade. Usem as armaduras(Efésios 6:10-24) e lutem lembrando sempre: “Porque nossa luta não é contra a carne e o sangue mas sim contra os principados e potestades, contra os príncipes das trevas deste século contra as hostes espirituais da maldade nos lugares celestiais.” (Ef. 6:12)

 

 

 

“Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas vou prosseguindo, para ver se poderei alcançar aquilo para o que fui também alcançado por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus. “

(Filipenses 3.12-14)

 

 

 

 

Pegue as armas e faça GUERRA!

Gustavo Pestana
Gustavo Pestana Facebook Twitter Imprimir

Sou natural de Ilhéus-Ba, formado em psicologia e graduando em teologia. Membro da igreja batista da Urbis na minha cidade. Amo escrever e compartilhar o amor d Deus. No momento estou trabalhando com missões urbanas. Também trabalho em dois projetos sociais: Um que com crianças com câncer e um com crianças carentes.

seta

CONHEÇA NOSSA LOJA ONLINE