“Haja luz!”

“No princípio, Deus criou os céus e a terra.” 

“A terra, entretanto, era sem forma e vazia. A escuridão cobria o mar que envolvia toda a terra, e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.” – (Gn 1:1,2)

Apesar de Seu Espírito se mover pela face das águas (e continua a se mover até hoje, em todas as direções), havia escuridão no que envolvia toda a terra.

Curioso, não?

Ele estava ali, mas, havia escuridão. Ele estava presente, mas, havia ausência de luz. Ele se movia, mas, o ambiente estava desprovido de clareza, sem limpidez. Então o problema estava com Ele? 

Hahaha…não mesmo, absolutamente!! 

No princípio, Deus criou…

Porém, antes mesmo desse princípio, a Sua Sabedoria já se fazia presente, como bem diz em Pv 8:22,23: “O SENHOR me possui como fundamento do seu Caminho, antes mesmo do princípio das suas obras mais antigas; fui formada desde a eternidade, desde a origem de tudo, antes de existir a terra”.

Tenho percebido que alguns de nós estamos como no princípio. Digo, o princípio mesmo, antes de tudo, sabe? Mesmo quando Ele está entre nós, mesmo quando Ele se movimenta, mesmo quando Ele cria, ainda alguns (e em alguns…) de nós, há escuridão. Escuridão do nosso discernimento ou de deixar que tudo se torne claro, límpido, puro. 

Então, eis que…

“Disse Deus: ‘Haja luz!’, e houve luz.” 

“Viu Deus que a luz era boa; e separou a luz das trevas.” – (Gn 1:3,4)

A Sabedoria de Deus (que já sabemos que O acompanha desde antes de tudo existir) então age; separando (NÃO pondo no mesmo lugar) luz e trevas.

Apesar de ser sinônimo, dessa vez o autor usa a palavra “trevas” no lugar de escuridão.

Por que, às vezes, temos a nítida impressão que algumas pessoas cegas “enxergam” melhores do que pessoas sem problemas visuais?

Quantos de nós já não ouvimos o ditado: “Pior cego, é aquele que não quer enxergar”?

Apesar de seu problema, elas conseguem perceber muito mais ao seu redor, desenvolvendo os outros sentidos, do que algumas que enxergam “perfeitamente”.

Lhes falta a luz da ótica, mas, não da sua percepção. 

Ou seja, não se trata do que você enxerga, e sim, do que você “vê” (Jo 5:19,20).

Portanto, o ser humano, seja na escuridão, mesmo com a presença de Deus em sua vida (porém, sem senti-Lo, sem busca-Lo intimamente – Sl 119:105) ou nas trevas (num completo afastamento Dele), se torna sem forma e vazio, sem o menor sentido. A cegueira que domina seu entendimento, o torna oco, opaco, tendo sua visão nublada numa falsa felicidade (Rm 12:2). Só lembrando que risos e felicidade, podem até parecer, entretanto, nem sempre andam juntas.

Sendo assim, é preciso muita coragem pra se manter de pé (Nele), diante de um mundo que se dobra, dia após dia…

RELACIONADO
COMPARTILHE ESTE ARTIGO:
 
mm

Elmo do Couto de Oliveira