O amor é um verbo


Deus é amor. O amor não é deus, mas Deus o é inteiramente. Um amor que não entendemos, grande demais para nossa humanidade. E, ao contrário do que dizem por aí, o amor se incomoda profundamente com as dores do mundo, muito embora elas não sejam suas, porque amor de verdade não é egoísta. Amor é doação. Amor é não esperar nada em troca.

Foi num dia despretensioso desses que algo entrou no meu coração e tratou de não sair mais: alguém plantou em mim a vontade de doar o meu cabelo para a confecção de perucas para crianças com câncer. O amor é assim, chega quando a gente não espera, chega pra não deixar nosso coração se tornar inacessível, irredimível, impenetrável. Amar é um verbo, mas a gente precisa conjugar além da primeira pessoa.

Foi um longo caminho até então: se eu ia doar algo de mim, seria o melhor que eu pudesse! Tive que construir dentro de mim coragem e ousadia para pisar nos medos da rejeição, construídos lá pelas bandas do inconsciente, onde a gente começa a se tornar, sem querer, escravos do padrão de beleza de gente que nem existe de verdade, de gente que precisa de filtro e maquiagem pra disfarçar o quanto são feias por dentro. Depois que a gente começa a se desprender de todas essas bobagens, o melhor acontece: o amor vence! Você não liga para mais nada, só quer que uma criança saia balançando seu cabelinho por aí, mesmo que ela nunca venha a saber quem você é. Poucas sensações são como essa…

A verdade é que todos somos humanos. Todos temos uma natureza terrível que nos leva a fazer o mal que não queremos, e, o bem que queremos fazer, esse não fazemos. Mas, na caminhada com Deus, aprendemos a conjugar o verbo amar. Passamos a viver todos os dias para colocar um sorriso no rosto dele. E, assim, descobrimos que é impossível amá-lo e não amar o que ele ama. Fica fácil trazer o céu na terra quando isso acontece: é a mais linda colisão de todas. O coração de Deus é movido quando decidimos fazer algo extraordinário, nem que seja uma gotinha de bondade em um oceano de maldade. Porque onde a luz chega, a escuridão tem que sair.
Essa é apenas uma das muitas maneiras de conjugar o amor. Existem muitas outras, no entanto. Fico pensando o que é que podemos fazer aqui na terra que toque o céu de uma maneira diferente… O que é que move as estruturas do céu? O que é que faz com que Deus se incline sobre seu trono e se surpreenda na majestade do seu reinado? O que é que toca seu coração? O que é que coloca um sorriso em seu rosto? Faça uma loucura de amor. Você já ouviu falar sobre isso antes. Alguém fez isso por você há 2000 anos atrás, dividindo a história da humanidade em duas grandes eras. Chegou a hora de você conjugar esse amor além da primeira pessoa.

Sâmela Ribeiro
Sâmela Ribeiro Facebook Twitter Imprimir

Uma quase engenheira civil que ama café, viagens, gatos, violão, Netflix, gente e Jesus - não necessariamente nessa ordem.

seta

CONHEÇA NOSSA LOJA ONLINE