Raízes da rejeição

   Todo mundo tem a necessidade de amar e se sentir amado. Esse é o anseio do ser humano criado a imagem de Deus. Fomos criados para viver o amor. Quando somos desprovidos desse amor sofremos a dor da rejeição.

Precisamos analisar cuidadosamente quais as feridas que possuímos em nossa alma. As feridas produzem comportamentos limitadores que nos impedem de expressar e receber amor da forma adequada. E os principais traumas começam na família. No seio familiar sofremos as primeiras decepções e rejeições da vida. Uma pessoa que nunca se sentiu verdadeiramente amada por seus pais fica com uma lacuna em seu coração. E isso vai se refletir na vida social e sentimental dela, pois ela vai reproduzir a indiferença na vida das outras pessoas com que se relacionar.

A figura paterna tem um papel extremamente na vida do ser humano. As mulheres quando carecem da figura partena acabam procurando homens para suprir essa lacuna num ato  inconsciente. Algumas se envolvem com homens mais velhos, sem notar que na verdade o seu inconsciente está em busca do afeto paterno.

O trauma emocional que limita nossas atitudes tem origem, na maioria das vezes, na convivência familiar. A intimidade do convívio familiar gera uma liberdade para fazer o bem ou fazer o mal para as pessoas que convivem conosco. Boa parte das pessoas acaba ferindo emocionalmente justamente aqueles a quem não deveria machucar. Essas marcas começam a ser produzidas na infância e na adolescência de todos nós consolidando conceitos e crenças na mente que mais tarde serão refletidos em forma de comportamentos limitadores.

A falta de atenção dos pais com os filhos pode gerar nestes uma crença de que não são importantes e que não merecem ser amados por ninguém. Na vida adulta, uma possível reação a esse pensamento é a dificuldade de se relacionar com as pessoas, pois o indivíduo está sempre pensando que não é bem vindo ou bem aceito.

Não é possível amadurecer plenamente enquanto não conhecermos a nós mesmos, pois o amadurecimento pressupõe crescimento e adaptabilidade às mudanças e não há como alguém mudar sem buscar identificar e reconhecer suas debilidades.

Quando temos uma alma curada, a maturidade se consolida em nossa vida, uma vez que nossas novas atitudes não estarão mais pautadas em traumas emocionais do passado.  

A cura acontece quando nos entregamos ao agir do Espírito Santo. Ele nos mostra quais são os nossos sentimentos doentios. Talvez seja uma falta de perdão ou quem sabe um relacionamento que parecia perfeito, mas se desfez de repente.

Há pessoas que decidiram “lamber” as suas feridas, re-sentem cada situação, cada ofensa, cada palavra recebida e vivem num ciclo vicioso. Mas para ser curado há um preço: é preciso tomar uma postura! Chega de lamentos! Chega de lamber feridas!

A primeira coisa a fazer é decidir ser curado. Se você está acostumado a viver de ressentimento, precisará se desapegar deles. Ore ao Senhor e entregue tudo em Seu altar, mesmo que isso lhe custe muitas lágrimas.

Procure sua liderança espiritual, abra o seu coração, peça que seu líder ministre cura e libertação na sua vida. É fundamental ter um acompanhamento do seu líder ou pastor. Não tenha vergonha, pois eles são os instrumentos de Deus para ministrar cura a você.

 

Em alguns casos, um psicólogo cristão seria de ótima ajuda. Há problemas que são de origem espiritual e que cabem aos líderes espirituais, mas há problemas que são de ordem psicológica e precisam de um acompanhamento adequado. Quando os problemas são repetitivos e há confusão na mente, o apoio psicológico cristão deve complementar o apoio espiritual para uma mudança de hábitos nocivos.

 

 

A glória desta última casa será maior do que a da primeira, diz o SENHOR dos Exércitos, e neste lugar darei a paz, diz o SENHOR dos Exércitos.”Ageu 2.9

RELACIONADO
COMPARTILHE ESTE ARTIGO:
 
mm

Simone Messina Gomez

Simone Messina Gomez. Funcionária pública e escritora cristã. Membro da Igreja Bastista Nacional de Santa Maria, RS. Autora do livro O valor de estar solteiro e de muitos outros que estão por vir! Casada com Pedro Tasca Gomez. Ministramos seminários sobre Vida de solteiro, Romance Real e Santidade. Contato: simessina@gmail.com