SEXO, DROGAS E ROCK` IN ROLL

Basta olharmos para a sociedade que logo associamos as três coisas: sexo, drogas e rock in’roll. A onda é ficar com geral, a onda é tomar todas, ficar ligadão, agitar geral!
Os motéis, paredões, quartos caseiros, lotados, jovens cada vez mais mergulhados nas drogas, sejam elas pesadas e proibidas ou leves e liberadas. São meninas com roupas cada vez mais curtas “afinal o que é bonito é pra se mostrar”, rapazes cada vez mais “loucos”.
O sexo é muito bom e com certeza uma coisa divina; só que às vezes, o usamos de forma irresponsável e inconseqüente, gerando doenças, gravidez inesperadas, interrupção da carreira, etc.
Parando para analisar, a própria mídia, junto com o governo, age de forma contraditória, quando o assunto é sexo e drogas; pois exibem filmes, novelas, programas, comerciais e até programas infantis, com mulheres semi-nuas, depois insistem no uso da camisinha e campanhas sobre DSTS, declarando que a AIDS está crescendo e o abandono infantil também.
Afinal, somos o país do samba, do futebol, ou o país das mulheres que dão prova de amor e dos homens que tem que provar que são homens a cada noite?
Paralelo a este culto ao corpo, estão às drogas, sejam elas para manter a forma, dar uma viajada, aderir uma ideologia, ficar louco, fazer mais sexo ou só para dar uma “calibrada” e animar a noite. Tudo isto fica melhor ao som do bom e velho rock e aí se encaixam as bandas que fazem apologia. Cabe aqui ressaltar que o problema não é com o ritmo musical e sim para que ele esteja sendo usado.
A frase sexo, drogas e rock in’roll, bem que poderia ser hoje sexo, drogas e funk, sexo, drogas e reggae, sexo, drogas e samba, sexo, drogas e axé, sexo, drogas e hip-hop, etc.
O fato é que muitos após entrarem por este caminho, não voltam mais. Seja por uma overdose, seja por um simples acidente automobilístico.
São cantores e músicos que incentivam drogas e sexo desenfreado, em suas musicas, shows, nos palcos ou nos bastidores. Fazer sexo sempre será bom, mas existe algo além do ato que o torna de todo prazeroso: é o amor, o respeito, o compromisso e a responsabilidade, pois a cama com tudo isto não oferece riscos de doenças, de gravidez indesejada, de ñ receber a ligação no dia seguinte!
Já usar drogas nunca será legal, com ela não se vive mais do que uma sensação ilusória e passageira que ela proporciona.
Quanto ao bom e velho rock in’roll, este sempre será o bom e velho rock in’roll e devemos usá-lo sempre como entretenimento, passando mensagens progressistas e incentivadoras do bem e da igualdade social, como nos velhos tempos, assim, poderemos mandá-lo para veia sem contra-indicações!
Ser jovem nos dias de hoje não é nada fácil; são apelos e propostas erradas a todo instantes, mas creio que não precisamos sair por aí provando nada a ninguém, nem que somos pegadores e preparadas, nem que estamos “malucos” e valentões. Temos sim é que ter identidade e mostrar que não somos um bando de clones de boné e calça caindo ou progressiva e calça corsária; somos pessoas que podemos tanto colocar uma criança nos braços e assumi-la, como colocar um presidente para fora, podemos nos acostumar com todos os ritmos ou permanecer com o bom e velho rock in’roll, podemos pintar sim nossa cara, mas podemos muito mais de cara limpas, sem álcool, drogas ou musica de fundo, apenas com nossa garra, dedicação e principalmente responsabilidade!

RELACIONADO
COMPARTILHE ESTE ARTIGO:
 
mm

Luciano Pierre dos Santos

Sou Luciano Pierre, casado com Nadjane Rocha, pai de Eloah Rocha, corretor de imóveis, baterista, leitor de livros, jogador de futebol nas horas vagas, alguém que acredita em Deus mais do que em outras coisas, vivendo na busca por Ele, para ser melhor pessoa, marido, pai, para esta sociedade carente de atenção e amor. E-mail: lucinodanad@hotmail.com Instagram: @lucianopierresantos