SIM OU NÃO?!

Eu me lembro que, quando eu era mais jovem, bem adolescente ainda, e um amigo ou eu mesmo ficávamos a fim de uma colega de classe, começávamos aquela paquera de longe, um sorriso aqui, uma olhada ali; às vezes os mais ousados até arriscavam pedir uma caneta ou um caderno emprestado. Na Maioria dos casos, a paquera terminava com um bilhetinho assim “Gosto de você, você gosta de mim?” sim não.
Hoje nós jovens continuamos a viver com uma e outra resposta. E durante a vida respondemos afirmativa ou negativamente a várias questões. É certo que tais questões são bem mais complexas do que o ficar ou não com alguém da sala. São, às vezes, questões que decidem toda uma vida. Por falta de uma negativa lá atrás, algumas pessoas morrem hoje, e por falta de uma afirmativa outras são eternamente frustradas.
Temos muitas oportunidades para exercitar uma ou outra resposta numa churrascaria, por exemplo. Você pode colocar o sinal verde, que representa “sim, eu quero mais carne”, ou o vermelho, que representa o “não, estou satisfeito”. No trânsito, você pode dizer “sim, vou parar no sinal” ou “não, vou avançar”. Nas comunidades, dia após dia, os jovens têm tido a oportunidade de optar por entrar para o tráfico ou trabalhar e estudar. Dizer sim ou não é muito fácil e talvez pressionado pelo ambiente externo, dizemos um ou outro sem pensarmos no que implicará nossa decisão mais tarde. Hoje me parece que todos os veículos de comunicação pregam o “sim, você pode pegar todo mundo, você pode beber todas (com moderação), você pode ser fortão ou saradona, você pode isso, você pode aquilo”. Mas por trás disso tudo está a sua vida, e não há filmes, programas, novelas ou comerciais dizendo: “você não pode pegar AIDS, ser pai ou mãe tão cedo, ter cirrose, acabar com o seu fígado, pulmão, ser preso ou morto, você não pode isso, não pode aquilo…”.
Você pode escolher uma ou outra resposta. O que você não pode é apenas dizer o que os amigos do trabalho, da faculdade, do colégio ou do baile querem ouvir. Há tempo pára todas as coisas, há tempo para o sim e tempo para o não. Este último pode até parecer duro de dar, mas dado na hora certa é capaz de salvar uma vida. Pense na sua resposta antes de dá-la, pois é para sua vida e o seu futuro que você estará dizendo sim ou não!

RELACIONADO
COMPARTILHE ESTE ARTIGO:
 
mm

Luciano Pierre dos Santos

Sou Luciano Pierre, casado com Nadjane Rocha, pai de Eloah Rocha, corretor de imóveis, baterista, leitor de livros, jogador de futebol nas horas vagas, alguém que acredita em Deus mais do que em outras coisas, vivendo na busca por Ele, para ser melhor pessoa, marido, pai, para esta sociedade carente de atenção e amor. E-mail: lucinodanad@hotmail.com Instagram: @lucianopierresantos