Home Artigos Sou bom o suficiente ?

Sou bom o suficiente ?

875
0

Dia após dia lutamos para obter validação pessoal. É daí que vem a pergunta silenciosa: sou bom o suficiente? O problema com essa indagação é que toda pergunta tem expectativa de resposta, e enquanto estivermos buscando essa resposta seremos reféns da dúvida.

Cada vez que você se expressar, realizar uma atividade, postar aquela foto, gravar um vídeo, escolher uma roupa, mudar o corte do cabelo, der uma festa ou se engajar em alguma causa, você estará indiretamente perguntando :” Ei! O que vocês acham? Essas coisas são boas o suficiente?, e por meio delas “Eu sou bom o suficiente?

Mas quem vai nos responder essa pergunta ?

Bom, a resposta tem ficado por conta dos likes ou da ausência deles, dos elogios ou críticas, da voz do povo, dos íntimos e dos desconhecidos. De alguma maneira todo mundo vai responder a sua pergunta, seja com o silêncio, seja com a fala, seja ignorando seja se importando demais. Mas a voz do povo, não é a voz de Deus.

Deus te criou de um jeito único e maravilhoso. Nós somos obra prima da sua criação. Não só isso, mas ele te deu a missão de sonhar, realizar e de ser uma expressão da sua glória nesse mundo. Quando dizemos não para nossa autenticidade, estamos dizendo não para Deus.

Estamos dizendo que não damos crédito a sua obra. Não atribuímos a nós mesmos valor, até que valorização externa nos seja dada. Os tímidos esperam que alguém os reconheça, deixam o tempo passar e perdem oportunidades. Os mais desinibidos se editam, reeditam e se perdem na busca por reconhecimento, em um jogo que sempre muda as regras. Ambos correm o risco de se perderem, uns no silêncio outros no disfarce.

É comum ansiarmos por reconhecimento em tudo que fazemos, mas enquanto a jornada para o reconhecimento da parte de Deus é de liberdade, o caminho para o reconhecimento dos homens é de escravidão. Lembre-se, a voz de Deus é a voz de Deus! E foi por essa voz que você veio a existir. Você é mais do que suficiente! Você é “A Maravilhosa Obra de Deus”.

Com muito amor, Alle Monteiro.