Home Artigos Honestidade como ato de amor

Honestidade como ato de amor

2553
0

O amor não se alegra com a injustiça, pois sua felicidade está na verdade.
1 Coríntios 13.6

Sabemos que verdade se trata de uma propriedade que está em conformidade com fatos ou a realidade. Todo aquele que opta por ser honesto está em conformidade com a verdade. O indivíduo honesto evita esperteza e todo o desejo de levar vantagem sobre tudo e todos. Por mais estas sejam afirmações ideais, sabemos que em certas partes ser honesto tem suas dificuldades. Então a pergunta é lançada: você se considera uma pessoa honesta?

A resposta para a pergunta anterior pode ser muito simples, mas sabemos que a honestidade acaba se tornando algo complexo para muitos. Se levarmos em consideração os relacionamentos interpessoais, sociais e intrapessoais, a honestidade é um valor conhecido por todos, mas vez ou outra deixado de lado por inúmeros motivos.

No contexto Bíblico de 1 Coríntios 13 o apóstolo Paulo descreve a grandiosidade do Amor Divino e a dupla característica do mesmo: a) Não espera ser amado primeiro para retribuir, mas toma iniciativa e age com misericórdia (benignidade). b) Não se precipita em julgar e condenar, mas espera pacientemente (longanimidade) pela ação do Senhor. Essas características descrevem perfeitamente a ação da honestidade como ato sacrificial, que é o significado proposto por Paulo em sua carta aos Coríntios.

A honestidade compreendida como ato sacrificial é característica do amor sacrificial, o mesmo amor demonstrado por Cristo em sua missão e sacrifício por nossa Salvação (1 João 3.16). Quando agimos sem esperar como moeda de troca a reciprocidade, estamos compreendendo que todo ato de amor é valido para aqueles que são próximos a nós. A honestidade é o valor de amor que expressa o testemunho Cristão.

Todo indivíduo deve ser honesto consigo mesmo. Todo aquele que é verdadeiro de maneira intrapessoal, reconhecendo seus limites, mazelas e dificuldades, está no passo certo de compreender que reciprocidade haverá para aqueles que primeiramente reconhecem o amor sacrificial para si mesmo como ato de honestidade. Ser honesto consigo mesmo é também identificar que dependemos de Deus para nossa evolução e redenção pessoal.

Todo indivíduo deve ser honesto com os outros. Todo aquele que é verdadeiro de maneira interpessoal e social, reconhecendo os limites de cada pessoa, compreendendo a dificuldade de cada um, sem julgar ou buscar nada em troca, compreende a honestidade como ato sacrificial. A dupla característica do amor sacrificial, benignidade e longanimidade, devem ser reflexo de nossa honestidade e testemunho para com todos à nossa volta.

Seja honesto, pois somente o amor em sua felicidade é capaz de compor as mais belas poesias relacionais em nossas vidas. E lembre-se sempre: Deus se agrada daqueles que são verdadeiros – O rei se agrada dos lábios honestos; e dá valor ao homem que fala a verdade. Provérbios 16.13

COMPARTILHE ESTE ARTIGO: